Últimas notícias

Fique informado

7 ações-chave para executivos de risco orientados a dados

22 de abril de 2021

Spotlight

O que é PKI? Definição e guia para infraestrutura de chaves públicas.

A infraestrutura de chave pública – PKI, em português ICP – gerencia a identidade e a segurança nas comunicações da Internet para proteger pessoas, dispositivos e dados.

13 de maio de 2021

GlobalSign anuncia mudanças no comprimento da chave de assinatura de código

Os clientes TSA devem migrar para os novos URLs até 1º de junho de 2021.

12 de maio de 2021

Entrevista com Daniela Costa – VP da Arcserve LATAM – sobre Proteção de dados e soluções de backup

Daniela Costa, VP Arcserve Latam, fala sobre o porque as corporações precisam repensar suas estratégias de backup.

7 de maio de 2021

Viviane Bertol explica o que é AR Eletrônica e fala sobre os novos procedimentos de validação da ICP-Brasil

Drª Viviane Bertol, fala sobre os novos procedimentos da ICP-Brasil, panorama mundial de eIDs e sobre LGPD.

8 de abril de 2021

O que o futuro da segurança na Internet mantém em 2019 segundo especialistas da Sectigo – Ouça

Especialistas em identificação digital e criptografia da Sectigo se reúnem para traçar as principais questões sobre segurança na internet em 2019

21 de janeiro de 2019

Consultor da Russell Reynolds Associates alerta para as armadilhas na gestão de dados e análises dos CRO

dados
Marcio Gadaleta – Sócio da Russell Reynolds Associates

A COVID-19 acelerou a necessidade de garantir que as funções de análise de risco sejam mais flexíveis, ágeis e adaptáveis. Embora essa tendência já estivesse em andamento antes do início da crise, a necessidade de entender como usamos os dados e análises para informar a tomada de decisão é, em um ambiente em rápida evolução, um imperativo operacional.

Digitalização e análise de dados são fundamentais para permitir que as organizações reajam em circunstâncias incertas e em ambientes regulatórios mais rigorosos. Os diretores de risco (CRO) precisam ser suficientemente “digitalmente fluentes” para compreender as opções disponíveis e fornecer percepções e conselhos necessários para suas organizações.

No entanto, dados e análises não são “balas de prata”, sua aplicação requer reflexão e planejamento cuidadosos: fazer as perguntas certas geralmente é mais difícil do que obter as respostas certas.

Como é o caso de muitos líderes seniores, saber por onde começar ao abordar o tópico de dados e análises na função de risco pode ser assustador, especialmente com as restrições de tempo e recursos impostas pela COVID-19.

Por meio de muitas conversas com líderes seniores sobre riscos e dados, a Russell Reynolds Associates criou um conjunto de sete ações-chave para diretores de risco que estão considerando o uso de dados por sua organização.

Essas ações não são exaustivas, mas formam uma plataforma sólida a partir da qual um diretor de risco pode construir uma estratégia de dados mais rigorosa – criando impacto significativo em sua organização e no ecossistema de risco mais amplo, de acordo com Marcio Gadaleta, sócio da Russell Reynolds Associates no Brasil.

7 ações para diretores de risco baseados em dados:

1 – Compreender os desafios dos dados – de volta ao básico

Para executivos seniores com portfólios amplos e complexos, é importante entender, em primeiro lugar, como sua organização lida com tarefas simples utilizando dados. Isto permite que aprendam onde vieses podem aparecer durante o trabalho, ou como interpretações incorretas sobre os dados podem influenciar negativamente o processo de decisão.

Entender os desafios em lidar com dados básicos cria a fundação para qualquer diretor de risco que busca resolver questões mais complexas. A capacidade dos dados e a estratégia dos dados de risco precisam ser constantemente revisadas, adotando uma abordagem de volta ao básico, em vez de ficar preso apenas a novas técnicas de modelagem sofisticadas ou empolgantes.

2 – Desafie as fontes de dados – olhe além do modelo

À medida que a aceleração digital aumenta e o mundo continua a migrar para os canais online, as empresas passaram a ser inundadas com dados adicionais, criando novas oportunidades.

No entanto, isso também traz riscos adicionais à medida que modelos mais complexos são construídos. Desafiar constantemente as fontes de dados – fazer as perguntas difíceis sobre a proveniência dos dados, incluindo as suposições feitas ao limpar, refinar e aumentar os dados. Essas dicas são especialmente válidas caso os dados forem fornecidos por um parceiro externo e não estiverem disponíveis em formato bruto.

3 – Metadados – descubra seus muitos usos

Uma das fontes de informação mais frequentemente negligenciadas são os metadados – ou seja, as informações colocadas sobre os dados que registram sua origem, incluindo, por exemplo, notas do autor e marcações de data/hora.

Nas áreas de risco, conformidade e crime financeiro, elementos tão simples como marcações de data/hora em entradas de software de contabilidade podem ser críticos para determinar a confiabilidade. Isso é verdadeiro mesmo para conjuntos de dados que não podem ser usados como fontes primárias.

As decisões de crédito podem ser bastante aumentadas, por exemplo, pela longevidade da presença de uma empresa na mídia social em relação ao pedigree reivindicado – mesmo se os dados da própria presença na mídia social não forem usados.

4 – Padrões de dados – enfrente os desafios

O ecossistema de dados, incluindo as aplicações de técnicas de dados avançadas, são constantemente prejudicadas pela falta de padrões claros. Em alguns campos, esse problema foi exacerbado nos últimos anos.

Existem agora, por exemplo, milhares de índices Ambiental, Social e de Governança (ESG na sigla em inglês) separados, muitos deles apresentando visões totalmente diferentes sobre os mesmos negócios.

Sem padrões de dados claros, definições consistentes, taxonomia de metadados e regras de validação, as organizações terão que ter cuidado ao usar e interpretar esses dados. Em muitos casos, a ausência dessa padronização pode levar à imprecisão acidental ou mesmo à manipulação deliberada.

No entanto, há luz no fim do túnel – podemos estar a apenas alguns anos do fim da era do “velho oeste selvagem” dos dados . À medida que órgãos como o Conselho de Padrões de Contabilidade de Sustentabilidade para o ESG, criam metodologias mais rigorosas, começaremos a ver uma abordagem mais sistemática da maneira como as fontes de dados emergentes são geradas e classificadas.

5 – Reuniões de Conselho

Os conselhos estão cada vez mais engajados nas formas como as organizações coletam e usam os dados – especialmente no que se refere ao gerenciamento de riscos e à incerteza do ambiente. Familiarizar os conselhos – ajudando-os a entender como os dados são coletados e usados ​​- é fundamental para permitir que eles superem o ruído e cumpram sua função de supervisão e governança.

Como um executivo-chave no crescimento e estabilidade de longo prazo do negócio, o chief risk officer tem um papel crítico a desempenhar para garantir que os conselhos entendam as maneiras pelas quais as ameaças são mitigadas e as decisões são tomadas; isso é ainda mais crítico na frequentemente mal compreendida área da estratégia de dados.

6 – Ecossistema de risco

Os dados são a base de qualquer decisão tomada. Criar uma única fonte de verdade é essencial para uma tomada de decisão eficaz, ao mesmo tempo que minimiza a criação de conjuntos de dados inconsistentes.

É imperativo que este trabalho de levantamento de dados seja unificado tanto quanto possível, permitindo que as funções agreguem valor aos conjuntos de dados umas das outras e tomem ações consistentes com base nas mesmas entradas.

Como regra geral, as fontes de dados devem ser centralizadas, permitindo que diferentes unidades de negócios e funções conduzam suas próprias análises usando informações consistentes.

Como empresário do “ecossistema de risco”, o chief risk officer pode ser uma força decisiva para unificar os esforços de toda a empresa e criar resultados melhores e mais eficientes.

7 – Fatores regulatórios

Como acontece com qualquer método pelo qual as empresas tomam decisões, os reguladores têm um grande interesse nos dados coletados, armazenados e usados ​​pelas empresas. As tensões podem ser criadas quando os dados que os reguladores buscam não se alinham com os dados usados ​​pelas empresas em um sentido prático.

Como um elemento-chave do envolvimento de qualquer empresa com órgãos reguladores relevantes, o diretor de risco deve ser um defensor poderoso para aconselhar e influenciar reguladores em uma abordagem mais produtiva – uma função que também desempenha um papel crítico no alinhamento de áreas internas “céticas em relação aos dados” com o valor de uma estratégia de dados comerciais consistente.

O diretor de risco tem potencial para ser um ativo chave na estratégia de dados

À medida que os dados se tornam cada vez mais fundamentais para o papel da função de risco, a pressão sobre o diretor de risco só aumentará.

Ao tomar as medidas decisivas descritas acima, os diretores de risco podem estar mais bem preparados para agregar mais valor aos aspectos de proteção, mitigação e reputação de sua função, bem como ao crescimento comercial de sua empresa, à medida que continuamos navegando nas incertezas de uma pandemia global, recessão emergente e alto desemprego.

Como acontece com qualquer mudança na maneira como as empresas operam, a proliferação de dados paras análises de risco apresenta uma infinidade de perigos, bem como oportunidades. Um diretor de risco que pode compreender ambos habilmente será um ativo inestimável para qualquer organização no futuro previsível.

Sobre Russell Reynolds Associates

A Russell Reynolds Associates é uma empresa global de advisory e search de alta liderança. Há mais de 50 anos, nossos consultores atuam estrategicamente para ajudar os clientes a criar equipes de líderes transformadores, os quais possam enfrentar os desafios de hoje e, ainda, antecipar as tendências digitais, econômicas e políticas que estão remodelando o ambiente de negócios global. A missão e propósito da RRA são melhorar a maneira como o mundo é liderado.

Dessa forma, sua atuação contempla desde apoiar os Conselhos de Administração em sua estrutura, cultura e efetividade até identificar, avaliar e definir a melhor liderança para as organizações em todos os 46 escritórios com os mais de 470 consultores ao redor do mundo.

Webinar Serpro discute importância do tratamento de dados na atualidade

HelpSystems amplia seu portfólio de soluções para classificação de dados com foco na LGPD

Siga o Crypto ID no Linkedin e acompanhe as atualizações sobre inovação e segurança da informação com foco em eIDs e Criptografia!