Últimas notícias

Fique informado

LGPD: O que muda com a entrada em vigor da lei

9 de outubro de 2020

Spotlight

Reconhecimento facial sem prova de vida está com os dias contados, afirma CEO de uma das principais plataformas brasileiras de biometria facial

Conversamos com José Luis Volpini, CEO da CredDefense, uma das pioneiras e mais conceituadas plataformas de biometria facial do mercado brasileiro.

6 de janeiro de 2021

Carimbo do Tempo dá início ao fim da era dos protocolos proprietários na ICP-Brasil. Ouça

Segundo Dr. Roberto Gallo, o fim da era dos protocolos proprietários na ICP-Brasil tem data marcada e deve beneficiar fabricantes, prestadores de serviços e clientes finais.

28 de dezembro de 2020

Em tempo de mobilidade extrema e home office, como controlar o perímetro de segurança da empresa? Ouça

Conversamos com Jan Rochat da AET Europe, sobre a eficiência das tecnologias que protegem as informações das empresas, especialmente nesse momento de extrema necessidade de mobilidade das pessoas em “home office.

8 de dezembro de 2020

Identificar, confiar e conectar. Quantas vezes por dia nos autenticamos?

Controlar credencias de acesso nas organizações é tão difícil quanto

2 de dezembro de 2020

Doutor Fabiano Menke Concede Entrevista Sobre a Evolução das Assinaturas Eletrônicas

Nesta entrevista Dr. Fabiano Menke fala sobre a Lei 14.063 de setembro de 2020 e sobre o Decreto 14.543 de novembro de 2020 sobre os tipos de assinaturas eletrônicas

25 de novembro de 2020

Entidades pedem criação da ANPD e adiamento da entrada em vigor da LGPD

Em carta aberta à Câmara dos Deputados e ao Senado Federal, 20 entidades reivindicam mais segurança jurídica para cidadãos e organizações no que se refere à LGPD.

7 de agosto de 2020

“Finalmente, a novela da vigência de nossa Lei Geral de Proteção de Dados chega ao fim. Meio aos “trancos” e muito “barrancos”, a lei está em vigor,” Enion Klein

Por Enio Klein

Enio Klein – CEO da Doxa Advisers e Especialista em Transformação Digital

É bem verdade que para uma lei baseada em práticas de privacidade e proteção de dados, tem em seus artigos muito mais diretivas sobre o que precisa fazer do que como deveria ser feito. Esta característica, mais em nossa lei do que na irmã mais velha europeia, a GDPR, torna a jornada de adequação para as organizações muito mais difícil.

Principalmente se considerarmos que a “Autoridade Nacional de Proteção de Dados”, a ANPD, embora já esteja no papel, ainda não opera na prática. E sem a ANPD, muito desses “como fazer quando” ainda está por ser normatizada ou regulamentada. 

O fato é que, com a lei aí, mesmo que ainda sem as sanções fiduciárias ou administrativas, as quais só valem a partir de agosto do próximo ano, seus artigos passam a valer. Isto é, os titulares de dados podem invocar os seus direitos, e as organizações precisam atende-los. Mesmo sem a ANPD, o Ministério Público e a Defesa do Consumidor, representada pelos PROCONs no país afora, poderão exigir o cumprimento da lei no caso de não atendimento por parte das empresas, seja por denúncia, seja por uma ocorrência de violação de dados. 

Assim, a vigência efetiva da LGPD em 18/9 último reforça os direitos do cidadão quanto ao uso dos dados pessoais pelas organizações que os coletam e tratam e exigem destas que para tal, tenham finalidade e base legal definidas (por que precisam coletar ou tratar dados pessoais?). O outro lado da moeda faz como que o uso dos dados pessoais pelas organizações não seja mais o mesmo. Isto é, não será mais possível utilizar os dados coletados para outro fim que não aquele determinado.

Também veda o compartilhamento desses dados com terceiros sem justificativa e determina que as organizações que coletam, tratam e armazenam dados pessoais devem protege-lo de forma a evitar vazamentos. Em caso de ocorrência, devem envidar todos os esforços para mitigar os riscos resultantes do incidente. A LGPD muda muita coisa e ainda não é claro para a maioria dos cidadãos e das organizações quais os impactos para os seus negócios.

O principal deles é que os negócios que dependem do uso do dado pessoal terão que se transformar para cumprir a lei. A LGPD não veio para impedir que as organizações trabalhem ou usem os dados pessoais, mas sim para garantir o equilíbrio entre as razões de negócio e os direitos das pessoas à privacidade e proteção de dados.

Em um mundo onde “dados são o novo petróleo” e a tecnologia que os explora é cada vez mais diferencial de sucessos para as organizações, as leis de privacidade e proteção de dados, como a nossa LGPD, trazem uma nova perspectiva onde o cuidado ao lidar com dados que não lhe pertencem é necessário para que se faça negócios dentro de padrões éticos aceito por um seleto grupo de países em todo o mundo, que respeitam o direito de seus cidadãos.

O Brasil agora faz parte deste mundo. Vamos todos respeitar e exigir o cumprimento da lei. Seja bem-vinda!

Serpro compartilha reflexões e experiências sobre LGPD com o Poder Judiciário

Dados de crianças e adolescentes no contexto da LGPD: reflexões e pontos de atenção às empresas na implementação da Lei

O impacto da LGPD na gestão e segurança da informação em condomínios

Content Syndication

Content syndication – distribuição de conteúdo é um método de republicar conteúdo desenvolvido por sua empresa em outros sites para atingir um público mais amplo e levar novos visitantes a seu site. Fale conosco sobre Content Syndication, contato@cryptoid.com.br | +55 11 3881 0019.

Surpreenda-se com a qualificação da nossa audiência! Mídia Kit.