Últimas notícias

Fique informado

O desafio imposto pela Telemedicina à TI

07/08/2020

Spotlight

A sanção da Lei 14.063 de 2020, segundo agência Senado.

A nova lei cria dois novos tipos de assinatura eletrônica em comunicações com entes públicos e em questões de saúde: simples e avançada.

25/09/2020

Lei Geral de Proteção de Dados Brasileira – LGPD começa a valer

Começa a valer nesta sexta 18 de setembro de 2020 conforme o texto aprovado pelo Senado .

18/09/2020

Como gerenciar Identidades Digitais em empresas públicas e privadas? Ouça

Sobre como gerenciar eIDs, conversamos com Luís Correia – Business Development da AET EUROPE, empresa global na área de soluções de segurança digital.

02/09/2020

O que esperar da legislação para Telemedicina no Pós-COVID-19?

Após anos de debate, o Projeto de Lei 696/20 autorizou em caráter emergencial a prática da telemedicina por conta da epidemia do novo coronavírus no Brasil, e do isolamento social adotado na tentativa de evitar a propagação do vírus.

10/07/2020

Com digitalização em alta, setor da Saúde requer estratégia nos investimentos em infraestrutura devido ao aumento no uso da telemedicina

Por Eduardo Carvalho

Eduardo Carvalho

A pandemia de Covid-19 representou o acelerador de uma tendência que vinha, até então, crescendo lentamente em alguns países, entre eles o Brasil: a telemedicina.

Se a Portaria no. 467/2020 do Ministério da Saúde, que autoriza a prática no país, tem por enquanto caráter emergencial, a expectativa da sociedade é que ela seja em breve regulamentada de forma permanente.

A telemedicina é uma das pontas da chamada “saúde digital”, ao lado de outros investimentos na digitalização do setor, como a interoperabilidade e a análise de dados dos pacientes coletados das mais variadas formas, do consultório ao smartwatch.

Para se ter uma ideia, uma estimativa da consultoria Frost & Sullivan aponta para um crescimento global de 7,9% deste mercado em 2020.

Entre as vantagens mais visíveis da telemedicina está o atendimento a comunidades remotas, onde há escassez de profissionais da saúde especializados. Para a população em geral, o atendimento à distância resulta em comodidade, economia de tempo e, no caso deste período de pandemia, em maior segurança, evitando exposição desnecessária.

Planos de saúde, hospitais, médicos e mesmo o Sistema Único de Saúde (SUS) aderiram, em maior ou menor grau, à telemedicina no período da pandemia. Health Techs (startups de saúde) ganharam impulso inédito e conquistaram novos investimentos.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Associação Paulista de Medicina em fevereiro de 2020 – portanto antes da pandemia se espalhar pelo Brasil -, 90% dos médicos acreditam que as novas tecnologias digitais podem ajudar a melhorar a assistência em saúde. Para 70% deles, a prática segura da telemedicina é capaz de ampliar o atendimento para além do consultório.

Apesar de alguns aspectos ainda levantarem debate entre a classe médica, tudo indica que não estamos diante de uma bolha apenas. No entanto, para que a telemedicina se estabeleça e realmente se torne uma alternativa importante no acesso à saúde em nosso país, precisamos olhar para a base de seu funcionamento: a internet.

Na teoria, a telemedicina é simples: o paciente se conecta ao médico ou instituição por meio de um celular ou computador, interage e recebe as recomendações, pedidos de exames e receitas médicas. Para que este atendimento flua como se espera, a conexão deve ser veloz e com baixa latência, ou seja, sem atrasos, travamentos ou quedas.

É fundamental, também, garantir a segurança da comunicação e compliance com a legislação. Os dados gerados nessas conversas são privados e precisam ser preservados pelos profissionais e instituições envolvidos.

Para empresas menos adiantadas na transformação digital que ainda dependem de estruturas clássicas e isoladas de TI, entregar uma experiência remota de qualidade para um usuário cada vez mais exigente pode ser uma tarefa mais complicada – e mais arriscada – do que parece.

Para superar o desafio imposto pelos sistemas remotos de atendimento, muitas empresas têm adotado uma arquitetura digital interconectada, distribuída e escalável, que lhes permite compartilhar informações do paciente com segurança e conformidade, integrando novas tecnologias, inovações e canais de captura de dados de diagnóstico.

A partir de uma rede simplificada e colaborativa, a instituição de saúde pode não apenas atender às expectativas dos clientes pelo omnichannel de telemedicina como avançar em outros processos de modernização do setor, entre eles a robótica e a Internet das Coisas Médicas (IoMT).

No universo digital – do qual a saúde faz cada vez mais parte – os players precisam enfrentar os desafios impostos com velocidade, flexibilidade, otimização de custos e, é claro, sem nunca perder de vista as expectativas do usuário.

Anvisa certifica a primeira plataforma de telemedicina

Telemedicina na pauta. Por Carlos Fortner

Conselho Federal de Medicina regulamenta prática da telemedicina no Brasil

Apresente suas soluções e serviços no Crypto ID! 

Nosso propósito é atender aos interesses dos nossos leitores, por isso, selecionamos muito bem os artigos e as empresas anunciantes. Conteúdo e anúncios precisam ser relevantes para o mercado da segurança da informação, criptografia e identificação digital. Se sua empresa é parte desse universo, baixe nosso Mídia Kit, escreva pra gente e faça parte do Portal Crypto ID!

ACESSE O MÍDIA KIT DO CRYPTO ID

contato@cryptoid.com.br  
+55 11 3881 0019